2 de julho de 2015

Chuva


Sentou-se ao balcão ensonado e puxou o La Voz de Galicia.
Cheiro a jornal, títulos, notícias e meteorologia.
Em paralelo, um café acompanhado por um cigarro lento.
Não choveria, naquele dia, na Galiza. Apenas dentro de si.


©Pedro Miguel Rocha

Sem comentários: